sexta-feira, 8 de abril de 2011

Não jogue pedras na Geni


Há quem diga que homossexualidade seja um desvio da sexualidade. Outros dizem que se trata de uma derivação da sexualidade. E se fosse desvio, seria desvio escolhido, por opção, ou descoberta de uma condição, permanente, com a qual o sujeito deveria aprender a se relacionar para viver integrado consigo e com os outros? Ouvi um gay discordar não das paradas gays, mas do “excesso de frescura que as caracteriza”. Discordava, também, da promiscuidade sexual, de homo ou de heterossexuais. Um gay conservador.

Difícil entender a ação dos bandos de rapazes fortões, de academia diária, que espancam homossexuais magrinhos como um faquir. Seria covardia, medo do espelho? Vai ver que é por isso que não cessam de jogar pedras na Geni, ou no João de Baratati, não obstante as tantas e justas campanhas contra a homofobia.