sexta-feira, 8 de abril de 2011

Não jogue pedras na Geni


Há quem diga que homossexualidade seja um desvio da sexualidade. Outros dizem que se trata de uma derivação da sexualidade. E se fosse desvio, seria desvio escolhido, por opção, ou descoberta de uma condição, permanente, com a qual o sujeito deveria aprender a se relacionar para viver integrado consigo e com os outros? Ouvi um gay discordar não das paradas gays, mas do “excesso de frescura que as caracteriza”. Discordava, também, da promiscuidade sexual, de homo ou de heterossexuais. Um gay conservador.

Difícil entender a ação dos bandos de rapazes fortões, de academia diária, que espancam homossexuais magrinhos como um faquir. Seria covardia, medo do espelho? Vai ver que é por isso que não cessam de jogar pedras na Geni, ou no João de Baratati, não obstante as tantas e justas campanhas contra a homofobia.

3 comentários:

Giovana disse...

Olá Fábio,

Assim como faço sempre, li seu post para saber mais de suas experiências de vida. Interessantíssimas por sinal. E esse seu último relato me fez refletir. Como há sacerdotes homossexuais. Será um chamado para o sacerdócio, ou “fuga” de uma condição não aceita pela sociedade? Não estou julgando nem tão pouco generalizando, mas, há de convir que são muitos os casos. Gostaria de ler a respeito. Quem sabe não te pronuncias? Adoro tuas idéias.

Abraço

juvercy disse...

Tem na Igreja, na política, no esporte, ainda bem que há gay em todo lugar... Observo que a maioria das monstruosidades são praticadas pelos ditos “machões, isso sim é falta de Deus e de vergonha na cara.
Viva o ser humano de bom coração!

Fabio aceite meu abraço.

juvercy

Everton Sanches disse...

Oi Fábio...

Conheci o seu blog através de uma "mãe pustiça"... a conheci em um vôo de Florianópolis para São Paulo no ano de 2005 e desde então sempre trocava e ainda troco e-mail´s, mensagens via celular, notícias, estudos e enfim o nosso contato se tornou diário. Mãe e filho! Sempre contei das minhas angústias, problemas, soluções, alegrias, decepções, erros e acertos! Inclusive confessei a ela a minha sexualidade: sim, sou gay!

O que quero dizer com esta mensagem é: para todos aqueles que lêem independente de condição, posição, escolha, ou que quer que chame a questão sexual alheia: respeitem.

Simplesmente respeitem o próximo, cada qual com suas objeções, com os seus sentimentos, com suas "escolhas" com suas "condições"!

Sou profissional liberal, tenho meu trabalho e meu profissionalismo vai além da minha sexualidade, tenho minha vida familiar, embora que com pais hoje separados, minha referência de família vai além da sexualidade, bem como minha vida financeira, social, acadêmica... e assim vai.

Tenho duas mães: a biológica e a pustiça! Sou abençoado!

Sempre digo para quem me procura pedindo conselhos em se tratando de aceitação ou auto-aceitação: "Gay é como eletrodoméstico: toda família tem um!" Não se envergonhe, não se curve, não se anule! É normal ser diferente!

Caros leitores, a vida vai além do que aquilo que você faz e com quem faz entre quatro paredes, ame o seu próximo como ele assim o é, se não o ama, ao menos o respeite. A vida segue, e o dia de amanhã ninguém sabe.

Seu filho ou sua filha não deixará de sê-lo(a) se escolher ou optar ou querer enfim, gostar de uma pessoa do mesmo sexo.

Acredito que existam muitas mazelas nessa sociedade excludente que prejudica bem mais os bons costumes, a ordem pública, a questão familiar, do que simplesmente o fato de estar vivendo hoje ou querer viver com alguém que é seu semelhante sexualmente falando.

Tenho uma união estável com meu parceiro, o respeito e o amo, já estamos completando 05 anos juntos, e, temos duas cachorras schanuzer´s (Lara e Sofia), minha família de sangue mãe e pai, bem como familiares nos aceitam, nos respeitam como se um casal hetero fosse, e, acredito que não seria diferente entre tantas famílias.

Quantos casamentos supostamente perfeitos (heteros) estão sendo desfeitos pelo fato de que pessoas estavam inseridas em algum matrimônio que não havia mais condições de se conviver. Deixando que ambos pudessem viver a vida, um e cada qual na sua opção, escolha, condição e enfim... sem mais viver de máscaras ou por trás de filhos.

Seja, sejam, sejamos felizes, ou,não meçam esforços para tentar... a vida não nos dá extrato de tempo, e, com certeza o melhor momento para ser feliz é o agora! Independente de quem quer que esteja do seu lado, ou até mesmo dentro do seu peito!

Um abraço a todos, felicidade a todos, e liberdade de escolha e ou condição para aqueles que coragem tem!