quinta-feira, 23 de junho de 2011

Projeto Unasul (Unasur)


Em agosto de 2009, mudamos para a fronteira, cidades-gêmeas de Santana do Livramento – Rivera. A vida nas bordas do Estado, fronteira, é diferente da vida no miolo do Estado. A fronteira é professora.

Minha irmã, brasileira, vive em Montevidéu. Seu marido, empresário, já descobriu a América do Sul faz tempo. Na capital do Uruguai, jantei, também, com alguns amigos de países sul-americanos, jornalistas. Na volta, de carro, pela tranquila Ruta 5, pensamentos e sentimentos de integração sul-americana.

O Brasil ainda vive de costas para a América do Sul. Mas, talvez, isto esteja mudando. Pensar o Brasil como parte de um grupo de nações vizinhas talvez seja muito mais útil para nós e para os vizinhos do que o velho nacionalismo tradicional. A América do Sul é o nosso território comum de pertença e responsabilidade compartilhadas.

A Unasul (União de Nações Sul-Americanas) é muito mais que uma sigla. É a possibilidade de realização de um projeto de integração, desafio popular e governamental. Tudo na América do Sul poderia ser pensado como Unasul, exceto o futebol, é claro. Unasul e segurança pública. Conselho de defesa da América do Sul. Integração entre os ministérios da justiça e da defesa dos Estados da Unasul. Desenvolvimento econômico compartilhado, economia de empresas sul-americanas. Produção com justa distribuição. Democracia social. Integração social. Salvaguarda do ambiente. Andes, Amazônia e Pampa. Atlântico e Pacífico. Território compartilhado. Responsabilidades compartilhadas.

A Unasul é muito mais que uma questão apenas de livre comércio.
No site do Itamaraty, lemos que “a UNASUL tem como objetivo construir, de maneira participativa e consensuada, um espaço de articulação no âmbito cultural, social, econômico e político entre seus povos. Prioriza o diálogo político, as políticas sociais, a educação, a energia, a infraestrutura, o financiamento e o meio ambiente, entre outros, com vistas a criar a paz e a segurança, eliminar a desigualdade socioeconômica, alcançar a inclusão social e a participação cidadã, fortalecer a democracia e reduzir as assimetrias no marco do fortalecimento da soberania e independência dos Estados”.

A Unasul não é uma fórmula voltada para o enfraquecimento de soberanias, mas para o fortalecimento dos Estados sul-americanos, pelo caminho do compartilhamento de análises e escolhas estratégicas.

Aos poucos os parlamentos vão aprovando o ingresso de seus Estados em tal projeto que une realismo e idealismo na América do Sul, casa comum dos povos sul-americanos, cuja construção depende também de mim e de você, artesão, professor, empresário, músico, operário, político, poeta, militar, estudante, cozinheiro, jornalista...

2 comentários:

Rafael Carpes disse...

Por que "exceto o futebol"?
ligas e competições sulamericanas são excelentes maneiras de promover a integração!

Militância Vermelha e Amarela disse...

Belo exemplo do internacionalismo progressita. Pela soberania sul-americana que foi ultrajada no passado por golpeas de Estado apoiados pelos EUA. Organização que garante que sejamos um povo unido, livre, soberano e democrático, composta por todos esses presidentes que representam a bandeira vermelha e amarela do socialismo e da social-democracia.